Atendimento: (31) 3273-0607

    Redes Sociais

Os riscos da hepatite B na gravidez

A hepatite B é uma doença infecciosa que pode ser muito perigosa durante a gravidez, pois existe um enorme risco de contágio do bebê durante o parto. Porém, a contaminação pode ser evitada quando a mulher toma a vacina contra a doença antes da gravidez, ou após o segundo trimestres de gestação.

Além da vacinação da mãe, é importante que logo após o nascimento o bebê seja vacinado e tome injeções de imunoglobulina para combater o vírus e evitando o desenvolvimento da hepatite B. O diagnóstico na gravidez ocorre por meio de exame de sangue HbsAg e anti-HBc, que estão inclusos no pré-natal.

Se a doença for confirmada é necessário realizar uma consulta com hepatologista que indicará o melhor tratamento que pode ser feito apenas com repouso, dieta, medicamento para fígado, isso de acordo com o grau da doença. Mas lembramos que apenas o médico pode determinar qual o tratamento adequado.

Tratamento da hepatite B na gravidez

Entre o tratamento da hepatite B aguda na gravidez está incluso o repouso, hidratação e dieta livre de gorduras para ajudar na recuperação do fígado e evitar a contaminação do bebê, além disso, o médico pode sugerir vacinas e imunoglobulinas. No caso da hepatite crônica na gravidez, mesmo que não ocorra nenhum sintoma o médico pode recomendar algumas doses de Lamivudina para diminuir o risco de contaminação da criança.

O médico também prescrever injeções de imunoglobulina para a gestante tomar nos últimos meses de gravidez para diminuir a carga viral no sangue e diminuir o risco de infectar o bebê.

Riscos da Hepatite B durante a gravidez

A hepatite b durante a gravidez pode apresentar riscos tanto para a grávida quanto para o bebê. Para a grávida os riscos ocorrem quando ela não realizar o tratamento indicado pelo o médico, podendo se desenvolver doenças graves no fígado, entre elas se encontram cirrose hepática ou câncer do fígado.

O bebê pode ser contaminado no momento do parto através do contato com o sangue da mãe ou por meio da placenta, isso faz com que a dose da vacina contra hepatite B, a injeção de imunoglobulina até 12 horas após o parto e mais duas doses da vacina no 1º e no 6º mês de vida sejam indispensáveis.

Algumas mães portadoras da doença se sentem receosas em amamentar, no entanto, não existe qualquer risco de contaminação através do leite materno, pois o vírus da hepatite b não passa pelo leite.

Lembramos que o pré-natal é essencial para verificar como está a saúde do bebê e da mãe. Realize o pré-natal e consulte o seu obstetra sobre a vacinação contra a hepatite B.

 

Leia também: ” DESCUBRA AS PRINCIPAIS VACINAS PARA GESTANTES

Nenhum comentário.

Deixe o seu comentário!